Lençóis bagunçados

Encontrei um rascunho. Nele, estava escrito algo sobre lençóis brancos e pesados, bagunçados em uma cama espaçosa. Só pode ser sobre você. Me lembrei de quando eu abria os meus olhos e você estava ao meu lado, com a boca entreaberta e mergulhada em um sono tão profundo, que eu ficava horas esperando você despertar assustada. É… você sempre acordava um tanto quanto confusa, tentando reconhecer o ambiente no qual estava. Em seguida, sorria quando me percebia ali e me dava um beijo quente e sonolento.

Continuar lendo

Anúncios

Sobre sentir-se inerte

magra-de-ruim-2

Este blog está parado desde fevereiro. Vira e mexe volto aqui e começo a escrever algumas linhas, mas desisto logo no início. Aliás, este espaço se chama Só um Rascunho por algum motivo, não é? Assunto não falta; o que sobra é procrastinação. É isso mesmo, mas juro que não é minha rotina ou aquela leve preguiça que toma conta de todos nós. Eu apenas tenho dificuldade de levar minhas ideias e vontades adiante.

Continuar lendo

Coleção de rascunhos

Sou mestre em fazer rascunhos. Rabisco uma ideia aqui, outra ali. No fim, tenho um monte de trechos soltos – que, espero, se tornem algo um dia. Já comecei a escrever sobre astrologia, destino, relacionamentos amorosos… até sobre prédios! Não sei se é falta de inspiração e tempo ou medo de destrinchar aquela ideia que parece ser genial e descobrir que ela não é tão boa assim.

Continuar lendo

Amor de pipa

sem-titulo-1

Ela se empina, altiva, e depois paira no céu de brigadeiro. A rabiola se movimenta conforme o vento sopra, dançando. A linha fina, quase imperceptível, passa por pequenas mãos e fica enrolada em uma lata de leite em pó. Por aqui, as nuvens abriram espaço para as crianças aproveitarem as férias escolares e soltarem pipa. Os pontos coloridos no alto criam um ar singelo. Em mim, deixam o gostinho da lembrança.

Continuar lendo

Um dia a menos no calendário

Parecia uma tarde comum, mas, na verdade, era o quinto dia útil do mês. A fila chegava até o lado de fora do banco e as pessoas se aglutinavam ali, esperando sua vez de consultar o saldo no caixa eletrônico. Uma senhora comentou com a amiga: “Ah, agora que me aposentei, vou viajar!”. Aquilo soou como um alerta para mim, pois me dei conta de que a rotina está cada vez mais agitada, o bastante para eu abrir mão do que ainda desejo fazer.

Continuar lendo

Cafezinho é bom demais da conta

cafe

Não sei se pelo Brasil afora é assim, mas aqui em Minas Gerais o cafezinho tem um significado particular. Por essas bandas, a bebida preta e quente, muitas vezes, não serve somente para nos livrar da sonolência, mas também para bater um papinho inocente. O ritual começa desde a hora em que a água fervida é despejada no coador e sai do outro lado, emanando aquele cheirinho tão gostoso e produzindo a fumaça que ondula até se dispersar. Pronto. Está na mesa. De preferência, junto com uma cesta de pão de queijo e pedaços de bolo. Hummm.

Continuar lendo